Episódio 06 – Trabalho e Alienação – Karl Marx / Músicas: Fábrica e Música de trabalho.

     Neste episódio, abordamos os estudos de Karl Marx a respeito do trabalho. Segundo o autor, o trabalho é a fonte de geração de riqueza, mas essa riqueza, porém, não atende aos interesses da coletividade, sendo que ela é gerada pelos trabalhadores, mas acumulada por poucas pessoas. Isso acontece porque o trabalhador das sociedades modernas se entrega a uma relação injusta de trabalho e produção. Para sobreviver, aceita vender a sua força de trabalho para os que detêm os meios de produção (máquinas ferramentas, tecnologia, conhecimento, instrumentos, etc...) recebendo um salário para isso. Ocorre que esse trabalhador produzirá muito mais daquilo que é remunerado, gerando lucro para o dono do negócio. Marx chama isso de ‘mais-valia’, ou seja, o lucro que o trabalhador gerou, mas que não lhe é devido, ficando com aquele que possui os meios de produção.

   Essa relação provoca aquilo que o autor denominou de alienação pelo trabalho, onde acontece uma separação entre o trabalhador e o trabalho. Dito de outra forma, o trabalhador não se reconhece no fruto de seu trabalho. O trabalho é apenas um esforço executado para conseguir um salário, mas não representa nada mais que isso. A pessoa não se realiza no trabalho que executa, sendo ele, somente uma fonte que lhe gera recursos financeiros para que possa sobreviver. Desta forma, a pessoa busca sua realização fora do ambiente de trabalho, já que esse, não representa nada mais do que a fonte de seu salário. Resumindo a ideia: o trabalho é fonte de riqueza e de realização, mas a exploração do trabalho gera a alienação.

   As duas canções apresentadas no episódio retratam o tema do trabalho nessa perspectiva de alienação e da relação de exploração do trabalhador. Especialmente na canção “Música de trabalho” está presente o conceito de alienação e de estranhamento em relação ao trabalho: “Sem trabalho eu não sou nada / Não tenho dignidade / Não sinto o meu valor / Não tenho identidade / Mas o que eu tenho / É só um emprego / E um salário miserável / Eu tenho o meu ofício / Que me cansa de verdade”. A canção retrata a importância do trabalho como fonte de realização, valor e identidade, porém, nas sociedades modernas capitalistas, o trabalho assume a perspectiva de ser apenas um emprego, ou seja, não é fonte de realização e identidade, mas de uma remuneração miserável pela venda de seu esforço.

    Além das canções ‘Fábrica’ e ‘ Música de trabalho’ da banda Legião Urbana, diversas canções abordam o tema do trabalho. Sugerimos que você ouça algumas dessas canções, relacionando o tema do trabalho que elas apresentam com a perspectiva de alienação abordada pelo episódio. Sugestão de algumas músicas: Capitão de Indústria (Paralamas), Trabalhador (Seu Jorge), Construção (Chico Buarque), Pedro pedreiro (Chico Buarque), Meu amigo Pedro (Raul Seixas), Working Class Hero (John Lennon), Factory (Bruce Springsteen), Proud Mary (Creedence Clearwater Revival).