Episódio 09 – A dominação masculina – Pierre Bourdieu / Música: Camila, Camila.

     Como vimos no episódio, segundo o sociólogo Pierre Bourdieu, há três questões importantes para o início da discussão sobre questões de gênero: Primeiramente é preciso reconhecer que existe uma relação de dominação, exercida pelo masculino sobre o feminino. Em segundo lugar, é preciso compreender que essa dominação resulta de uma força simbólica, ou seja, uma violência exercida pelos dominadores através do meio econômico, social, cultural, e de um sistema de padrões e comportamentos que reproduzem essa dominação. Essa violência é, muitas vezes, invisível (no sentido de não percebida como tal) aos próprios dominadores e também para os dominados. O terceiro ponto é perceber que a dominação se perpetua através de um processo de naturalização, ou, em outras palavras, pela repetição de comportamentos que vão se tornando usuais e considerados ‘normais’ ao longo do tempo.

 

     Essa dominação masculina atribui ao homem características sempre ligadas a um papel ativo: Ele é o conquistador, protagonista, herói, importante, expressivo, grande, forte, intenso, dinâmico. Para a mulher, se atribui papeis ligados à passividade e inércia: Ela é a conquistada, coadjuvante, donzela em perigo, dispensável, inexpressiva, pequena, fraca, suave, inativa. Essa caracterização do feminino de submissão e inferiorização gera uma relação de desigualdade que se faz sentir em diversos aspectos da vida. Um exemplo disso é no mercado de trabalho, onde a mulher ainda tem dificuldades de ser aceita em alguns tipos de funções ou profissões comumente ocupadas por homens. (Por exemplo: mercado automobilístico, imprensa esportiva, carreira militar, aeronáutica, engenharia civil, engenharia elétrica, ciência da computação, etc...). Além dessas dificuldades de aceitação, ainda soma-se a remuneração para a mulher, que muitas vezes é abaixo da remuneração recebida pelo homem para executar a mesma função. Além disso, de forma geral, ainda resiste-se em ver mulheres em cargos de chefia de empresas ou no setor púbico. Na política, as mulheres ainda são uma minoria ocupando cargos eletivos. Cabe lembrar que no Brasil, até meados da década de 1930, além de estar fora da vida pública, a mulher não tinha direito ao voto.

 

     Como atividade, debata o conceito de Bourdieu de “dominação masculina”, e indique situações cotidianas onde podemos visualizar essa dominação. Procure também lembrar das últimas séries ou filmes que você assistiu, e buscar neles exemplos de dominação masculina, simbólica e naturalizante.