Episódio 10 – Modernização conservadora / Música: Brasil

     Desigualdade social, corrupção, escândalos políticos, ideologização da mídia, redemocratização. Esses são apenas alguns temas abordados pela canção interpretada por Cazuza em 1988. O Brasil, que estava numa transição de regime, vivia a expectativa de que, com a redemocratização e a promulgação de uma nova constituição, pudesse expor a verdade sobre as relações políticas e descortinasse os financiadores do ‘negócio Brasil’, trazendo a tona os interesses espúrios com que se administra aquilo que é público. Talvez seja essa a ideia contida na expressão ‘mostra a tua cara, quero ver quem paga pra gente ficar assim’.

     A Constituição da República Federativa do Brasil, promulgada em 5 de outubro de 1988, é a lei máxima do estado brasileiro e alicerce para toda a estrutura jurídica do país. É a partir dela que se orienta toda a vida em sociedade e se garante direitos fundamentais para seus cidadãos e cidadãs. A constituição é regida por alguns princípios que formam um conjunto de diretrizes de onde emanam os preceitos que irão orientar todo o estatuto. Em outras palavras, existem princípios mestres de onde todo o sistema de leis devem originar-se. Exemplo: princípio da legalidade, igualdade, liberdade, ampla defesa, etc...

     No artigo 5º da Constituição é garantido o direito da igualdade, onde “todos são iguais perante a lei”. Olhando, porém, para a realidade em que vivemos, logo vemos que esse princípio é plenamente descumprido, pois o tratamento e as oportunidades mudam de acordo com muitas particularidades apresentadas pelo sujeito, como condição econômica, classe social, parentesco, cargo, cor da pele, gênero, religião, cultura, etc...

    Para debater em sala de aula: Se nós queremos construir uma nação onde “todos são iguais perante a lei” como ainda podemos aceitar com normalidade tanta forma de preconceito e discriminação? Como podemos superar isso? No que diz respeito ao nosso comportamento, tratamos as pessoas de forma igual, ou nos deixamos levar pelas condições que elas apresentam? Passados mais de 30 anos da nova Constituição brasileira, porque continuamos a repetir as mesmas injustiças? Como as coisas poderiam mudar? Infelizmente, canções como “Brasil” do Cazuza ou “Que país é esse?” da Legião Urbana, que foram compostas há tanto tempo, ainda retratam uma realidade concreta em nosso país. Que mudanças deveríamos fazer em nosso país para que essas canções ficassem obsoletas, ou seja, ultrapassadas, distante da realidade atual?